A magia do teatro fascina estudantes da EJA

Na última quinta-feira (23), um grupo de estudantes da Educação de Jovens e Adultos – EJA das escolas Rural do Gurugé, Almir Pinto e Frei Eliseu esteve no Centro Histórico de Salvador para assistir ao espetáculo Desmontando Cassandra, em cartaz no Teatro SESC-SENAC Pelourinho. A apreciação teatral promoveu aprendizagens e garantiu o direito ao exercício da cidadania cultural através formação de plateia.

Segundo Joane Macieira, gerente de Arte-Educação da Secretaria Municipal da Educação,“a apreciação artística contribui sobremaneira para a formação de um sujeito critico, capaz de perceber a realidade a sua volta por diferentes óticas e estéticas”.O espetáculo é a última peça de uma trilogia sobre gênero e identidade, resultado de um projeto de produtividade do CNPQ, desenvolvido pela pesquisadora, professora da Escola de Teatro da UFBA e atriz, Antônia Pereira.

A experiência foi sui generis, muito tocante, a casa estava cheia. É um texto clássico e eu tinha muito receio de que ele se tornasse hermético, por se tratar de uma história grega e cheia de labirintos. Mas qual não foi a minha surpresa ao perceber que os alunos da escola pública se identificam e conseguem captar o essencial do texto, fazendo um paralelo com a realidade atual, de maneira que eu fico muito contente! Eles conseguem captar a mensagem e apreender os personagens e eu fiquei muito feliz com toda a riqueza do debate, todo o interesse, atenção e paixão com o qual eles se debruçaram sobre os signos, tentando decifrá-los e interpretá-los”, disse a pesquisadora e atriz Antônia.

Reforçando esse parecer, Joane acrescentou que foi “incrível o nível de criticidade dos estudantes, ávidos e sensíveis após a apreciação de Cassandra, que permitiu uma viagem à Grécia, trazendo questões sobre identidade e gênero/violência contra a mulher. No debate pós-espetáculo, a turma compartilhou as suas curiosidades e reflexões, relacionando com aspectos do seu cotidiano. Foi fantástico!”.

Foi a primeira vez que Joana Nunes dos Santos, de 68 anos, esteve no teatro. “Voltei muito feliz pela forma como fui recebida pelos funcionários do espaço cultural, assim como pela atenção da professora e de todos que foram no ônibus. Fiquei encantada com a peça teatral! Foi muito boa!”, disse ela que é aluna da Escola Rural do Gurugé.

Para o coordenador pedagógico, Neilton Lima da Silva, “a palavra é comunhão. A expressão artística é um fenômeno grandioso demais para ser sentido por uma única pessoa. Ir ao Teatro Sesc-Senac Pelourinho com a EJA foi compartilhar uma experiência única de sensibilidade e aprendizado. Afinal, foi preciso Desmontar Cassandra e todas as formas de violência contra o feminino, para que voltássemos para casa com a vida pulsando forte dentro de cada um de nós”.

O fascínio e encantamento provocado pela experiência, que contou com a presença do secretário da Educação Marivaldo do Amaral na plateia, emocionou a todos, entre os quais a gerente da EJA Jossilene Costa. “Foi muito emocionante no momento da roda de conversa os nossos estudantes pedirem a palavra e relatar o entendimento que tiveram do espetáculo, fazendo a transposição desse conhecimento com suas histórias de vida. Foi uma emoção sem medida! Estou orgulhosa dessa turma maravilhosa. Gratidão sempre! Parabéns às escolas! Obrigado ao nosso secretário Marivaldo do Amaral por nos proporcionar esse momento ímpar e se fazer presente, prestigiando o espetáculo e os estudantes da EJA”.