Campanha de vacinação contra sarampo e poliomielite segue até o dia 31 de agosto no município

O município de São Francisco do Conde entrou na luta contra o sarampo e a poliomielite, visando afastar qualquer risco dessas doenças para as crianças franciscanas. Para isso, uma estratégia está sendo montada para que a imunização chegue a no mínimo 95% das crianças na faixa etária indicada pelo Ministério da Saúde (de um ano de vida a quatro anos, 11 meses e 29 dias).

Para definir as estratégias de imunização, a Secretaria Municipal da Saúde – SESAU promoveu na última quinta-feira, dia 26 de julho, uma reunião com os profissionais das Unidades de Saúde da Família para falar sobre a Campanha de Vacinação contra o Sarampo e a Poliomielite que começa dia 06 e segue até 31 de agosto de 2018. O Dia D será no sábado (18).

Recentemente, o país vem registrando casos de sarampo e por conta disso a preocupação de vacinar e também visando impedir a entrada da pólio no território nacional, o Ministério da Saúde tem orientado os pais a vacinar as crianças contra essas doenças.

Poliomielite

 É uma doença infectocontagiosa aguda, causada por um vírus que vive no intestino, denominado Poliovírus. A maior parte das infecções apresenta poucos sintomas (forma subclínica) ou nenhum e estes são parecidos com os de outras doenças virais ou semelhantes às infecções respiratórias como gripe. No entanto, o vírus pode se desenvolver na forma paralítica da doença, que pode causar sequelas permanentes, insuficiência respiratória e, em alguns casos, levar à morte.

Transmissão – Uma pessoa pode transmitir diretamente para a outra. A transmissão do vírus da poliomielite se dá através da boca e com material contaminado com fezes (contato fecal-oral), o que é crítico quando as condições sanitárias e de higiene são inadequadas. Crianças mais novas, que ainda não adquiriram completamente hábitos de higiene, correm maior risco de contrair a doença.

Sarampo

Os sintomas apresentados pelo doente são: febre acompanhada de tosse persistente, irritação ocular, coriza e congestão nasal, além de mal-estar intenso. Após estes sintomas, há o aparecimento de manchas avermelhadas no rosto, que progridem em direção aos pés, com duração mínima de três dias. São comuns lesões muito dolorosas na boca. A doença pode ser grave, com acometimento do sistema nervoso central e pode complicar com infecções secundárias como pneumonia, podendo levar à morte. As complicações atingem mais gravemente os desnutridos, os recém-nascidos, as gestantes e as pessoas portadoras de imunodeficiências.

Transmissão – A transmissão ocorre diretamente, de pessoa a pessoa, geralmente por tosse, espirros, fala ou respiração, por isso a facilidade de contágio da doença.

E para ambas as doenças a melhor forma de prevenção é a vacina.