Cidade com maior PIB per capita do país reverte riqueza em benefícios para a população

Um novo dado divulgado pelo IBGE apontou São Francisco do Conde como o município detentor do maior PIB per capita do país em 2010. Os dados do Produto Interno Bruto dos Municípios foram divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística nesta quarta-feira, 12, revelando um PIB de R$ 296,9 mil, diante de uma população de pouco mais de 30 mil habitantes. O motivo que levou a arrecadação elevada está no fato da cidade sediar a segunda maior refinaria de petróleo do país, a Landulpho Alves – Mataripe.

O que a população vem comemorando nos últimos anos, é o fato “da opulenta cidade estar agora revertendo sua riqueza em benefícios para a população”, como afirma Cristina Saturnino, moradora da sede. E a auxiliar de disciplina tem razão. No início do mês de dezembro deste ano, a Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro – FIRJAN divulgou os resultados do desempenho dos municípios brasileiros, colocando São Francisco do Conde em 2º lugar no ranking estadual, perdendo apenas para a capital baiana – Salvador. Foram avaliados quesitos como Saúde, Educação, Geração de Emprego e Renda, além da Gestão Fiscal. São Francisco do Conde, que anterior à atual gestão municipal aparecia em 19º lugar, agora se apresenta com elevados índices de desenvolvimento e em todas as categorias citadas, o município aparece nas melhores classificações: Desenvolvimento Moderado e Alto Desenvolvimento, com pontuações que variam entre 0.7469 a 0.8299.

Entre os destaques da saúde estão à estruturação da atenção básica; organização dos serviços em rede; criação de um centro de referência para a mulher; queda de mortalidade e de desnutrição infantil. Já na educação houve crescimento no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica – IDEB; criação de programas para universitários; implantação de uma rede de proteção para estudantes e a inauguração da Universidade Internacional de Integração da Lusofonia Afrobrasileira – Unilab. Além desses fatores, a cidade cresceu de forma organizada com a aprovação do Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano – PDDU e se destaca na qualidade de Gestão Fiscal, no que se refere à receita própria, gasto com pessoal, liquidez e custo da dívida.

Para a prefeita do município, Rilza Valentim, a combinação de uma receita elevada com investimento no município e nos munícipes tem mudado sensivelmente o IDH da cidade. “Temos certeza de que quando o IBGE divulgar o Índice de Desenvolvimento Humano para o ano base 2010, os números já serão diferentes. Pois, o que temos divulgado até agora é referente a 2007. Sobre 2010, o IBGE só divulgou o PIB, até o momento. A prova de que o IDH do nosso município mudou é que a FIRJAN divulgou relatório, no último dia 03 de dezembro, mostrando que São Francisco do Conde saiu da 19ª posição no ranking da Bahia em 2007, para o 2º lugar em todo o Estado, perdendo apenas para Salvador”, afirmou a prefeita.

Segundo o secretário municipal da Fazenda, Marivaldo do Amaral, o conjunto de investimentos que a cidade viveu neste governo, já conseguiu colocar São Francisco do Conde como o segundo município do Estado, em desenvolvimento na Saúde, Educação, Acesso a Renda e Gestão Fiscal, segundo a FIRJAN. A meta da prefeita Rilza Valentim agora é fazer de São Francisco do Conde a cidade com a melhor qualidade de vida do país nos próximos quatro anos. “O município possui um passivo social histórico muito grande, pois durante décadas sua boa arrecadação foi gerenciada de forma equivocada. Nos últimos quatros anos temos mudado esta realidade, porém temos consciência de que ainda é pouco para o que a cidade deveria ser”, afirmou Amaral.

Depois de São Francisco do Conde, os municípios que aparecem com maior PIB per capita são: a cidade paulista Louveira (R$ 239,9 mil), polo de distribuição; e, a mineira Confins (R$ 239,7), sede do maior aeroporto do Estado. Já entre as capitais, os PIBs per capita mais elevados são os de Vitória (R$ 76,7 mil), Brasília (R$ 58,5 mil), São Paulo (R$ 39,5 mil), Porto Alegre (R$ 30,5 mil) e Curitiba (R$ 30,4 mil), com valor muito próximo ao do Rio de Janeiro (R$ 30,1 mil). Salvador fica em 10º lugar entre as capitais, com R$ 13,7 mil. As capitais com os PIBs mais baixos foram os de Rio Branco (R$ 12,8 mil), Belém (R$ 12,9 mil) e Teresina (R$ 12,9 mil).

Quem desejar conferir as tabelas com os resultados da pesquisa FIRJAN pode acessar o site: www.firjan.org.br.