Confira o resultado das ações “São Francisco do Conde é 12 por 8” e “Doação de Sangue e Cadastro de Medula Óssea”

A sexta-feira, dia 27 de abril, marcou o término das ações da Campanha São Francisco do Conde é 12 por 8 que, entre outros serviços, trouxe a unidade móvel (HEMÓVEL) da Fundação de Hematologia e Hemoterapia da Bahia (Hemoba) para uma Campanha de Doação de Sangue e Cadastro de Medula Óssea em São Francisco do Conde.

Ao longo dos três dias foram cadastrados 221 doadores de sangue, destes estavam aptos a doar 132. O Hemoba também fez o  cadastro com possíveis doadores de medula óssea e conseguiu acrescentar mais 113  nomes ao cadastro nacional.

A comunidade marcou presença desde cedo para doar, mostrando a solidariedade e o espírito de ajuda do povo franciscano. “Se todos pudessem fazer uma doação de sangue, muitas vidas seriam salvas. Salvar uma vida não custa caro. Eu sou doador há mais de 10 anos e fiquei muito feliz em saber que o Hemoba estaria aqui”, afirmou Luiz Carlos de Oliveira, de 64 anos, morador da Nova São Francisco, que completou: “a primeira vez que eu doei foi pra ajudar alguém próximo, desde então, eu faço questão de continuar doando mesmo sem conhecer a vida que estou ajudando a salvar”.

Além desta ação, o Ginásio de Desportos Edvaldo dos Santos – Baiacão  recebeu cardiologista, endocrinologista, nutricionista e outros profissionais de saúde como enfermeiros, dentistas e nutricionista, para atendimentos à comunidade.

O bom resultado desta ação e o número considerável de doações fez com que nós, da Secretaria da Saúde, decidíssemos incorporar a pauta de Doação de Sangue no calendário anual de eventos da cidade. Sendo assim, essa ação vai ter continuidade uma vez por ano e a comunidade vai poder continuar doando aqui no município”, revelou a secretária Eleuzina Falcão.

São Francisco do Conde é 12 por 8

A ação de controle e prevenção da hipertensão arterial, aliada a solidariedade da população, marcou os dias 25, 26 e 27 de abril, em São Francisco do Conde.

A campanha facilitou o acesso da comunidade a serviços de saúde e promoveu consultas com cardiologista, endocrinologista e clínico geral, com a proposta de conscientizar os hipertensos sobre os cuidados constantes com a saúde.

Ao todo aconteceram: 117 consultas com cardiologista, 65 com endócrino, 13 da nutricionista e mais 54 do médico clínico geral, além das escovações supervisionadas.

Queríamos que a comunidade se sentisse acolhida quando fosse doar sangue. Por isso, colocamos os atendimentos dentro da Baiacão. Aproveitamos o momento da doação para criar atividades como palestras com o Samu 192 e aula de alongamento. Ficamos muito felizes com o resultado desta ação no município e vimos o tamanho da solidariedade desta população, que estava desde cedo no local para fazer a diferença na vida de alguém“, declarou Eleuzina Falcão.