Diálogos Pedagógicos 2020 celebra a democracia na Educação municipal de São Francisco do Conde

A abertura dos Diálogos Pedagógicos 2020, na terça-feira(11), foi marcante. Gestão municipal e profissionais da Rede Municipal de Ensino estiveram reunidos no auditório 02 de Julho, em um momento democrático e representativo para o município de São Francisco do Conde.

A mesa solene contou com a presença de representantes do SINDSEFRAN (Toca), da APLB (professor Raimundo), do Conselho Municipal de Educação (Josaira Xavier), da UNILAB (prof. Miriam Sumika), da Câmara de Vereadores (Dr. Mário Nogueira), dos estudantes (a aluna Julia Freitas, do CEAS) e da gestão municipal (prefeito Evandro Almeida e secretário da Educação Marivaldo do Amaral).

Destaque para o discurso do prefeito Evandro, que congratulou a equipe da SEDUC, assim como os profissionais que trabalham nas unidades escolares, pelos avanços notórios na Educação Municipal. “Elegi a Educação como uma das prioridades da minha gestão, e neste período não medi esforços para retirar recursos de outras fontes para ajudar a financiar a educação. Tudo isso porque eu sonho em ver esta cidade ofertando melhores escolas para nossas crianças, jovens e adultos”.

Em outro momento, o prefeito reiterou. “Se vocês observarem, do início da minha gestão até hoje, eu fui o prefeito que mais entregou prédios novos na educação. Nunca antes tivemos escolas com ar condicionado para amenizar o calor que tanto castigava a comunidade escolar, nunca antes tivemos professores recebendo notebooks, nunca antes tivemos matrícula informatizada, nunca antes tivemos Diário de Classe Digital – modernizando a forma de acesso aos dados escolares”.

O secretário Marivaldo do Amaral, em uma fala emocionada, apresentou uma retrospectiva das principais ações realizadas à frente da SEDUC, tanto na estrutura quanto na valorização profissional, no fortalecimento da gestão e nas atividades de caráter pedagógico. Ele convidou à frente do palco, os funcionários da SEDUC e agradeceu a equipe por todo o trabalho dedicado aos estudantes do município, em um ciclo que começou em 2017.

Sem os estudantes nenhum de nós existiria, portanto, é para eles todos os nossos esforços”, declarou o secretário. “Todo esse resultado apresentado é fruto de muito trabalho, desse conjunto de profissionais que atuam na educação, pois ninguém faz nada sozinho. Quero agradecer imensamente a vocês da equipe SEDUC por terem sonhado junto esse sonho de construirmos uma educação diferente.

O secretário Marivaldo do Amaral continuou sua fala dizendo que “tenho orgulho de, lá na frente, olhar para trás e perceber que os primeiros passos para uma educação de qualidade foram dados. A educação não muda do dia para noite, mas quem tem bom senso consegue enxergar que mudou muita coisa no ensino municipal público de São Francisco do Conde”.

Saber, saber-fazer, saber-ser para formação integral

O professor Roberto Sidney Macedo, empossado na segunda-feira (10) como o novo diretor da Faculdade de Educação da UFBA, na mesa com o tema do Diálogos Pedagógicos, apresentou a “Teoria Etnoconstitutiva de Currículo” como aquela que vai em direção ao outro, sempre em estado de fluxo, construído no encontro, onde os professores são também atores curriculantes. “O currículo franciscano é transversal, experimental e aberto para o mundo. Quero parabenizar a SEDUC, na pessoa do secretário Marivaldo do Amaral, por estar fazendo história, com reconhecimento local, nacional e transnacional. Você foi brilhante na condução do processo!”.

Já a professora Claudilene Silva, da UNILAB, abordou “História e Cultura Afrobrasileira: Saberes e Fazeres que Promovem o Ser Mais”. Em sua exposição, ela trouxe conceitos relativos à memória, cultura e identidade negras, tripé fundamental em uma pedagogia contra o racismo. “As condições de opressão, como o racismo, nos impedem de ser o que nascemos para ser, o que chamo de Ser Mais”.

Pedagogia do Ser

Dulce Moreira Sampaio, autora do livro Pedagogia do Ser, é uma velha conhecida da Educação de São Francisco do Conde. Cerca de 20 anos atrás, ela foi a responsável pelo Projeto CEAS, do qual participou o então professor de História, Marivaldo do Amaral.

Em síntese, a Pedagogia do Ser pode ser traduzida como a chegada do conhecimento ao coração, responsável pela transformação do ser. Para isso, Dulce propõe uma educação transdisciplinar. “A ciência e a tecnologia fragmentaram o sujeito e vemos o mundo através de caixinhas”,expôs ela.

Somos fragmentados, assim como a realidade. Vivemos em um sistema competitivo, em uma sociedade excludente, com a banalização da cultura e dos meios de comunicação. Somos nós que fazemos o mundo e precisamos mudar nosso pequeno mundo. Estamos vivendo uma crise planetária. Qual nosso papel nesse mundo de crise? Precisamos nos expandir e enxergar o outro. Aprender a construir juntos, com autoconsciência, um novo contexto mundial, buscando pela essencialidade do ser humano”.

Nessa perspectiva, que enxerga a Educação para além da formação enciclopédica e acredita na transformação do ser humano em sua maior potência, em diálogo com o currículo etnoconstitutivo e com o Ser Mais, o secretário Marivaldo do Amaral anunciou a criação do Núcleo Pedagogia do Ser, na SEDUC.

Fomos identificando um campo de necessidade para trabalhar a formação de nossos estudantes, para além daquela que é conteudista. A educação vive o grande desafio de formar o sujeito de forma integral. Assim, o núcleo assume o desafio de levar para toda a rede, políticas e iniciativas que façam da Pedagogia do Ser o centro de nossas ações, o que irá melhorar muito o desenvolvimento dos nossos estudantes. Digo isso porque vivenciei na prática essa experiência”, declarou o secretário Marivaldo do Amaral, que também anunciou uma nova gerência na SEDUC, de Tecnologia Educacional, cuja nova gerente é Josy Santos.