III Conferência Municipal de Educação: importante passo democrático do Sistema Municipal de Educação de São Francisco do Conde

A III Conferência Municipal de Educação foi um importante acontecimento da gestão Evandro Almeida, que marca, definitivamente, um novo momento do ensino público em São Francisco do Conde. Realizada pela Secretaria Municipal da Educação (SEDUC) com apoio irrestrito de outras secretarias do governo, a III COMED se configurou como um grande espaço democrático, onde os principais temas caros à Educação foram refletidos, debatidos e intervirão diretamente no Sistema Municipal de Educação.

Uma grande contribuição no processo de reestruturação da nossa lei que estabelece o Plano Municipal de Educação. O objetivo da conferência foi discutir, sobretudo, o nosso Sistema Municipal de Educação, mas também contribuir com a construção do Sistema Nacional de Educação”, declarou o secretário da Educação Marivaldo do Amaral. Junto com ele, estiveram o prefeito Evandro Almeida, o vice-prefeito e secretário de Governo Carlos Alberto Bispo Cruz (Nem do Caípe), o presidente da Câmara de Vereadores, Venilson Souza Chaves (Cravinho) e demais autoridades, todos reunidos na abertura da III Conferência Municipal de Educação, em uma Câmara de Vereadores completamente lotada.

Para o prefeito Evandro Almeida, “a conferência foi um instrumento de consulta democrática que ajudará a atualizar o Plano Municipal de Educação, que é a base do Planejamento Estratégico da Secretaria da Educação na minha gestão. Quando nomeei o secretário e a equipe, dei a eles a missão de colocar em prática este enorme desejo de avanço na qualidade da nossa educação”.

O grande número de inscritos – 1124 apenas no site – superou todas as expectativas. “Nós tivemos uma preciosa contribuição dos professores, coordenadores pedagógicos, agentes de apoio educacional, servidores da gestão das escolas, os auxiliares de gestão – vice-diretores e diretores – a sociedade civil e os movimentos sociais. Para além da contribuição com o Sistema Nacional de Educação – SNE, o que fica de mais marcante é a intervenção que se faz no nosso Plano Municipal de Educação, que visa a construção de um Sistema Municipal que garanta a educação de qualidade em tempo integral e integrada para os nossos estudantes”, disse o secretário da pasta da Educação.

A abertura da III Conferência Municipal de Educação se deu com a surpreendente interpretação em LIBRAS do Hino Nacional e do Hino de São Francisco do Conde, feita por Ana Cristina, coordenadora do Núcleo Bilíngue da SEDUC, e pelo surdo Vitor, respectivamente. Em seguida, apresentou-se o grupo cultural Os Filhos de Zé, formado por estudantes do Centro Educacional Joaquim Alves Cruz Rios, que contaram a história do samba chula e dançaram e tocaram o original som do Recôncavo Baiano.

Antes da leitura e aprovação do Regimento, última atividade da manhã, aconteceu a Palestra-Magna Educação Integral: Desafios e Perspectivas, proferida por Claudia Cristina Pinto Santos, Professora Mestre da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB) e membro atuante do Comitê Baiano de Educação Integral.Cheia de vigor e carisma, a santamarense levantou os principais pontos que devem ser levados em consideração para refletir e implementar esse modelo educacional, superando a lógica do reforço escolar e atravessando os muros da escola, sempre em diálogo com a comunidade.

A Educação Integral foi implementada pela primeira vez no Brasil, na chamada escola Parque (Instituto Educacional Carneiro Ribeiro), em Salvador. A Escola Parque, concebida por Anísio Teixeira, dispunha de atividades desportivas e de higiene, artes industriais, tecelagem, tapeçaria, cerâmica, bordado, com destaque para as artes, como música, teatro e cinema. Anísio foi secretário da Educação do Estado da Bahia, em 1947, e considerado o principal idealizador das grandes mudanças que marcaram a educação brasileira no século 20.

A educação integral visa a formação integral do sujeito e em tempo integral. Às vezes, as pessoas constroem as escolas para funcionar o dia inteiro e diz que é tempo integral, só que no segundo turno vira aula de reforço, ou seja, mais do mesmo”, considerou Marivaldo do Amaral. “Nosso objetivo é, justamente, o contrário. Trabalhar a formação do sujeito como um todo, onde Português e Matemática são parte do currículo, mas explorando as linguagens artísticas, o esporte, a formação no universo digital, o debate sobre a cidadania. Uma diversidade de formações que ajudam a formar o sujeito como um todo”, continuou.

Ainda segundo o secretário, o que se quer implementar em São Francisco do Conde “não é a escola do dia inteiro, que às vezes, é um castigo para o estudante. Nós queremos uma escola de dia inteiro, mas que seja prazerosa”. Nesse sentido, a noção de Cidade Educadora é trabalhar o conceito de que a educação integral não precisa acontecer necessariamente na escola. Ela pode acontecer nos mais diversos espaços da cidade. “Pensar a cidade numa perspectiva educadora”, concluiu Marivaldo.

No período da tarde, divididos em vários cantos da cidade, os 09 eixos temáticos foram discutidos; além dos 08 prescritos nacionalmente, ocorreu também o eixo Plenarinha, exclusividade da III COMED, voltada para estudantes dos ensinos Fundamental e Médio.  Instituto Luiz Viana Neto, Escola Arlete Magalhães (antigo Cejal), PREVESF, Escola Clara Visão e SINDSEFRAN foram os locais onde a sociedade se reuniu para votar os destaques e encaminhamentos das deliberações para o Sistema Municipal de Educação que foram levados para Plenária Final, que ocorreu no antigo CEJAL.

Dentre as ideias que fomentaram as discussões durante o debate democrático, estão as do professor Leonardo Chagas, do CEAS: “precisamos desconstruir essa ideia do velho e do novo no quadro docente do município. O objetivo é que a classe se una enquanto classe e que haja a inserção da comunidade na escola por meio da participação direta e democrática”. A professora Xaiana Buxon é de opinião similar, “é extremamente necessário compartilhar a responsabilidade da gestão da escola com todos os interessados envolvidos, não apenas diretores e professores, mas a família e a comunidade também”.

Sobre essa questão, o secretário Marivaldo informou que “ano que vem, iremos implementar os colegiados nas escolas para que essa construção democrática aconteça. O colegiado é o primeiro passo dessa estratégia”.

Durante a Plenária Final foram apresentadas e votadas as contribuições de cada eixo e feita a eleição dos delegados para a etapa estadual. São eles: Ailton Brunelle Filho (categoria Gestor); Daniel Nascimento dos Santos (categoria Docente); Jackson Bispo (categoria Pais ou Responsáveis); Antônio Amorim (categoria Sociedade Civil Organizada) e a representante estudantil Lara.

“A grande mensagem da conferência é a certeza de que uma educação de qualidade só é construída com a participação e o compromisso de todos, o que, de fato, pudemos vivenciar durante todo o dia. A democracia colocada em prática“, declarou Josaira Xavier, presidente do Conselho Municipal de Educação.