Novo sistema elétrico nas escolas municipais reduz custos e cuida do meio ambiente

A rede municipal de ensino iniciou um projeto piloto de eficiência energética sustentável, que visa melhorar a qualidade da iluminação nas escolas, zelando pelo meio ambiente. Trata-se da utilização das lâmpadas livres da toxidade do mercúrio e sem emissão de raios ultravioletas, considerados cancerígenos pela Organização Mundial de Saúde – OMS.

O pontapé inicial desse projeto inovador se deu no Centro Educacional Claudionor Batista, localizado no Monte Recôncavo, com a troca completa das lâmpadas convencionais pela tecnologia LED. Complementando o processo de eficiência energética, foi integrado um sistema que reduz a iluminação durante o dia. Esse sistema, que tem o selo do INMETRO, não consome energia e monitoriza a rede elétrica, com todos os equipamentos eletroeletrônicos, verificando a rede em milissegundos, sem interferência humana. A instalação foi finalizada na quarta-feira (23 de agosto). Os primeiros resultados serão apresentados em torno de 70 dias.

Ainda implantamos alguns sistemas automatizados que protegem todos os equipamentos eletroeletrônicos instalados no local, inclusive a nova iluminação, contra queimas, desprogramações e perdas de dados, proporcionando uma redução significativa dos custos de manutenção e descarte de equipamentos queimados no meio ambiente”, explicou Ricardo Menezes, diretor de desenvolvimento de novos negócios da Green Energy Soluções Sustentáveis, uma empresa voltada à integração de tecnologias, visando à eficiência energética.

“Com a eliminação dos desperdícios, a rede municipal de ensino terá uma redução do consumo de energia em torno de 30%, contribuindo para a proteção do meio ambiente e diminuindo os gastos públicos”, declarou o secretário da Educação Marivaldo do Amaral.  Segundo o secretário, o próximo passo será trazer para as escolas de São Francisco do Conde, a energia solar.