Policlínica Regional que atenderá São Francisco do Conde e cidades do entorno tem previsão de inauguração até o final do ano

Na tarde da última sexta-feira, 05 de julho, o município de São Francisco do Conde recebeu a visita do secretário estadual de Saúde, Fábio Vilas-Boas, que veio, especialmente para acompanhar o andamento das obras da Policlínica Regional de Saúde, com futuras instalações na Avenida Juvenal Eugênio de Queiroz, Baixa Fria.

A implantação dessa policlínica será possível através de uma parceria entre o Governo do Estado, por meio de um consórcio, visando atender aos municípios de São Francisco do Conde, Candeias, Saubara, Santo Amaro, São Sebastião do Passé e Madre de Deus, beneficiando a região e cerca de 300 mil pessoas.

O prefeito do município, Evandro Almeida, o vice-prefeito e secretário de Governo, Carlos Alberto Bispo Cruz 9Nem do Caípe), estiveram na obra acompanhados por uma comitiva durante a visita. “Essa é uma obra de qualidade, do jeito que o nosso povo e a nossa região merecem. Tenho certeza de que a policlínica trará um salto de qualidade na saúde dos municípios que serão contemplados nesse consórcio. Estamos orgulhosos da policlínica estar localizada em solo franciscano”, afirmou o prefeito.

Fábio Vilas-Boas trouxe técnicos para visitar o espaço e avaliou que cerca de 50% das obras estão concluídas. “Esse espaço, que foi construído inicialmente para abrigar uma Policlínica Municipal, está sendo adaptado em sua estrutura para comportar um número maior de pessoas e ganhou mais salas de exames e consultórios para abrigar a Policlínica Regional de Saúde”, disse o secretário.

Com a inauguração de duas Policlínicas Regionais de Saúde, em Simões Filho e São Francisco do Conde, até o final do ano, dez municípios da Região Metropolitana de Salvador terão acesso à consultas em até 18 especialidades diferentes, além de exames como ressonância magnética, tomografia computadorizada, ultrassonografia, ecocardiografia, eletroencefalograma, endoscopia, colonoscopia, entre outros.

A Bahia já conta com oito policlínicas regionais em funcionamento que atendem cerca de 4 milhões de pessoas. “Estamos consolidando esse modelo que tem se tornado referência de sucesso em todo o Brasil. É referência porque muda o paradigma entre os municípios, diminui os atritos e cria uma nova visão do sistema de saúde, em que todos se sentem parte do processo”, reforçou Vilas-Boas.

A gestão das policlínicas é realizada em parceria entre Governo do Estado e os municípios que integram os consórcios de cada uma das unidades. Os municípios cobrem 60% dos custos de operação, sendo que o valor é dividido proporcionalmente ao número de habitantes de cada um deles, e o estado fica responsável pelos 40% restantes. O atendimento ocorre por meio do encaminhamento das unidades de Atenção Básica dos municípios e o transporte dos pacientes é realizado em micro-ônibus com ar-condicionado e acesso à internet.