Secretária de Turismo de São Francisco do Conde apresenta Projeto de Diagnóstico e Avaliação do Potencial Turístico do município

É praticamente unânime a convicção de que o Turismo em São Francisco do Conde aponta tendências crescentes, visto que, tal conjectura baseia-se, sobretudo, no Projeto de Diagnóstico e Avaliação do Potencial Turístico do município franciscano, sendo este elaborado pelos técnicos do Consórcio Nippon/Cobrape/Ruschmann/GKS que realizaram entrevistas e visitas in loco para relatar, por meio de levantamentos de dados, a capacidade do município em compor o trade turístico náutico-cultural para a Baía de Todos-os-Santos, no âmbito do Programa Nacional de Desenvolvimento do Turismo (Prodetur).

Diante do exposto, nesta terça-feira (30), a secretária de Turismo do município, Ússula Flávia, reuniu-se com o prefeito Evandro Almeida, bem como com os secretários municipais Aloísio Oliveira (SEDESE), Osman Ramos (SECULT), Ruy Barbosa (SEPROJE), além dos representantes das secretarias de Meio Ambiente, Agricultura e Pesca, Carlos Arthur, de Desenvolvimento Econômico, Frederico da Luz Marques, e de Comunicação, Liz Sena,  para compartilhar as vertentes apontadas pelo estudo. 

Também se fizeram presentes na reunião a chefe de Gabinete, Ana Cristina Marques, a superintendente da SEDESE, Daona Sales, o coaching Ricardo Sales, bem como os técnicos que compõem a SETUR municipal, André Amaral, Ana Clara, Gleice Macedo e Maria José.

Dentre as questões que foram apontadas no diagnóstico estão embasadas propostas de intervenções estruturais, subsídios de investimentos públicos e privado, ações de promoção do desenvolvimento social e econômico, dentre outros instrumentos de suporte à análise do turismo em São Francisco do Conde e, por consequência, na Baía de Todos-os-Santos. Nesse sentido, os gestores das pastas presentes, bem como seus respectivos técnicos, fundamentaram as ações que foram e/ou estão sendo realizadas em virtude do fortalecimento das atividades turísticas no município, de acordo com suas responsabilidades.

Partindo dessa premissa, o prefeito de São Francisco do Conde, Evandro Almeida, foi enfático ao declarar o compromisso e a união do seu secretariado perante os desafios apontados no diagnóstico. “Diante do que foi apresentado nessa reunião, ficou ainda mais explícito que o turismo representa uma alternativa para o desenvolvimento da nossa cidade, sobretudo, em virtude dessa crise que assola não só o nosso município, mas todo o país. Quero ressaltar a importância da união dessas secretarias que participaram desse encontro para que consigamos vencer todos os desafios e impulsionar São Francisco do Conde no trade turístico da Bahia”.

Analisando a partir dos dados apresentados, das carências e das demandas do setor, a secretária de Turismo, Ússula Flávia, pontuou veementemente as definições substancialmente relacionadas à questão. “O turismo é uma atividade de efeito multiplicador e bastante amplo, isso significa que ele não acontece sem que haja um engajamento de diversas forças. É nessa perspectiva que entendemos que a incumbência de fomentar o turismo é uma tarefa não apenas da gestão, mas também do nosso empresariado. A partir disto, trazemos essa discussão, visando, sobretudo, a inclusão sócio-produtiva através do aquecimento do comércio local, da gestão diferenciada e das estratégias das nossas captações para empreendimentos e novas possibilidades por meio do fomento à economia criativa”.

Outro ponto crucial apontado, tanto no diagnóstico quanto na verbalização da gestora, foi a sustentabilidade. Nesse sentido, a secretária deixou explícito que “não se trabalha o turismo sem pensar no impacto socioambiental. Por isso, hoje, aqui reunimos gestores de outras pastas municipais que estão diretamente engajados na atividade turística. É importante também destacar que a gestão do nosso prefeito Evandro Almeida se preocupou em definir e criar marcos regulatórios para a atividade. Significa que todas as ações ligadas à instrumentação da atividade turística estão pautadas em leis e decretos, isso faz com que, no futuro, com a consolidação do produto turístico tenhamos bases legais para ampliar a atividade”.

Após especulações e propostas, foi perguntado à secretária de Turismo o seu sentimento diante do que lhe foi apresentado no decorrer da reunião. “Saí da reunião ainda mais entusiasmada e convicta que de fato plantamos uma semente, que muito se falava, mas pouco se tirava do papel. Agora, já conseguimos pensar, não de forma ilusória, mas baseando-se nesses dados, na colheita desse plantio. O turismo traz a possibilidade da inclusão   sócio-produtiva dos nossos munícipes através das suas habilidades, sem deixar de pensar, é claro, na capacitação e na qualificação dessa mão de obra para ocupar os espaços que lhes pertencem”.