Segunda edição do Troféu Axé reuniu diversas autoridades das religiões de Matriz Africana

São Francisco do Conde viveu um momento de celebração no último sábado, dia 13 de maio, em homenagem à Lei Municipal Nº 361/2014, que atribuiu um novo significado a essa data, onde se comemora originalmente, o “Dia da Abolição da Escravatura”, e desde o ano de 2016 passou a ser símbolo do “Dia das Religiões de Matriz Africana”. O evento rendeu homenagens a Yalorixá Maria Edelzuíta Bulcão de Nanã – Mãe Delza – do terreiro Odé Kassimilikongo (Pitangueira).

Dia importante para todos nós, enquanto secretaria, enquanto pessoas e religião. Na Secretaria de Direitos Humanos, Cidadania e Juventude trabalhamos com políticas públicas especiais para negros, LGBTs, mulheres, e lá temos um Departamento de Promoção à Igualdade Racial e temos que trabalhar o viés da proteção às religiões, principalmente as de matriz africana, que ainda sofrem discriminação. Precisamos fomentar o respeito através das políticas públicas. Quero aproveitar e já convidar todos vocês para a Conferência de Igualdade Racial, nesta casa, no dia 02 de junho. Quero desejar um bom dia e que os premiados se sintam felizes”, relatou o secretário de Direitos Humanos, Cidadania e Juventude, Márcio Junqueira, que também esteve representando o prefeito Evandro Almeida.

A homenageada do Troféu Axé, a Yalorixá Maria Edelzuíta Bulcão – Mãe Delza de Nanã – foi aplaudida de pé. “Estou muito feliz e emocionada. Se não fosse minha mãe, eu não estaria aqui. Eu agradeço muito a vocês e que Oxalá abençoe todos”.

A Prefeitura de São Francisco do Conde promoveu o Troféu Axé 2017, dia 13 de maio, através das secretarias municipais de Governo (SEGOV), de Cultura (SECULT), de Turismo (SETUR), de Desenvolvimento Social e Esportes (SEDESE), de Direitos Humanos, Cidadania e Juventude (SDHCJ) e de Comunicação (SECOM), além de também contar com o apoio da Câmara de Vereadores.

Nesta segunda edição, o Troféu Axé trouxe importantes segmentos das religiões de matriz africana, como o INTECAB/SP (Instituto Nacional da Cultura e Tradição Afro-Brasileira), o programa Axé com Aritana de Oxossi, da Band/TV, o CMADF (Coletivo de Mulheres de Axé do Distrito Federal e entorno coletivo Afro-Atinsá de Curitiba/Paraná), a FIUTCAB (Confederação Nacional de Integração e União das Tradições da Cultura e Culto Afro-Brasileiro) e Instituto Awuré – SP.

Pai Everaldo também deu seu depoimento: “nós que somos de raízes africanas temos poucas oportunidades de estarmos assim, reunidos, mas o povo do axé quando se une, se une para lutar pela sua tradição e pelas raízes. Maria Edelzuita Bulcão – Mãe Delza de Nanã, é uma mulher que tem muita dedicação, é uma pessoa devota e voltada para o axé. Quero também registrar a presença de toda essa gente que veio de longe e está aqui com satisfação e com alegria. Para nós, de São Francisco do Conde, o 13 de Maio já se constitui como uma data magna, pois é registrado como Dia do Povo de Santo”.

Para nós da Secretaria de Cultura, esse evento é um presente no dia 13 de Maio. Através dessa lei estamos aqui cantando, dançando e manifestando a religião de vocês”, declarou o secretário da pasta, Osman Ramos, sobre a lei que institui o Dia das Religiões de Matriz Africana, proposta por Patrícia Pinheiro Crisóstomo (delegada da Polícia Civil,  filha do orixá Ogum, Makota de um Terreiro de Matriz Angola, além de conselheira jurídica do INTECAB/SP e membro do Conselho Municipal de Comunidades Negras de Salvador).

O projeto de premiação intitulado Troféu Axé foi criado com suporte na Lei Municipal de nº 361/2014, que instituiu o dia 13 de Maio como o “Dia das Religiões de Matriz Africana”.

Entre os membros da composição da mesa estiveram: o secretário de Direitos Humanos, Cidadania e Juventude, Márcio Junqueira, a superintendente da Secretaria de Desenvolvimento Social e Esportes – SEDESE, Daoana Salles, e o presidente da Câmara de Vereadores, Venilson Souza Chaves (Cravinho). Também participaram a prefeita do município de Terra Nova, Marineide Pereira Soares, o assessor adjunto da SEPROMI (Secretaria de Promoção da Igualdade Racial do Estado da Bahia), Ailton Ferreira, a presidente do Instituto Nacional da Tradição e Cultura Afro-Brasileira-INTECAB/SP – Egbonmy Conceição Reis Casemiro, as representantes do Comitê Gestor do Coletivo de Mulheres de Axé, do Distrito Federal, e Entorno-Egbonmy Ruth de Dan e Ekedi Virgínia da Rosa, o presidente do FIUTCAB (Confederação Nacional de Integração e União das Tradições Afro-Brasileiras), Babalorixá Wálter de Odé, o presidente do Instituto Awuré, de São Paulo, Tata Ronaldo Arruda,  Sacerdote Aritana de Oxossi, representantes da Federação do Culto Afro-Brasileiro, o deputado federal e ex-presidente da CUT – Vicente Paulo da Silva, o presidente da Comissão Gestora do Bembé, do Mercado e Babalorixá do Ilê Axé Oju Onirê, de Santo Amaro, Pai Pote e outras lideranças de terreiro.