SESAU promoveu capacitação em manejo clínico do Sarampo e Rubéola

A Secretaria Municipal da Saúde – SESAU, através dos Departamentos de Vigilância Epidemiológica – VIEP e de Atenção Básica – DAB realizou nesta última terça-feira, 13, em seu auditório, uma qualificação para os profissionais médicos e de enfermagem das Unidades de Saúde da Família – USF para identificação de casos e manejo clínico e vigilância do sarampo e da rubéola.

O intuito dessa capacitação é  atualizar os profissionais de saúde, que atuam na atenção básica do município, para que saibam reconhecer e tratar adequadamente um paciente com suspeita ou diagnóstico de sarampo ou rubéola, de acordo com os protocolos vigentes do Ministério da Saúde.

Durante a manhã, os profissionais participaram de um treinamento online através de uma apresentação na web palestra, promovida pelo Ministério da Saúde sobre o tema, visando aperfeiçoar as ações de vigilância contra o sarampo e rubéola.

No evento também foram destacadas a situação epidemiológica do sarampo no Brasil, as estratégias de imunização e o manejo clínico das doenças, além do diagnóstico, complicações e tratamento.

Pela tarde, os profissionais participaram de um momento de análise e discussão de estudo de casos.

O sarampo é uma das doenças mais contagiosas do mundo, com potencial para ser extremamente grave, afetando principalmente crianças menores de 5 anos de idade, especialmente as mal nutridas e bebês não-vacinados. 

A única medida efetiva de prevenção contra o sarampo é a vacina, distribuída gratuitamente nos postos de saúde e que também imuniza contra caxumba e rubéola. 

Essa imunização faz parte do calendário vacinal.

Como é transmitido?

De pessoa para pessoa através das secreções nasais ao tossir, expirar ou falar. 

O contágio também se dá por dispersão de gotículas com partículas virais (aerossóis) no ar, em ambientes fechados como, por exemplo, escolas, creches e clínicas. 

O vírus pode permanecer em ambiente fechado por até duas horas depois de a pessoa infectada ter saído do local.

Sintomas

Os sintomas da doença aparecem apenas de 10 a 14 dias após a exposição ao vírus. Inclui tosse, coriza, olhos inflamados, dor de garganta, febre e irritação na pele com manchas vermelhas. Além disso, em casos mais graves, pode causar também infecção nos ouvidos, pneumonia, diarréia, convulsões e lesões no sistema nervoso.

Para maiores informações acesse: saude.ba.gov.br/sarampo e saiba como se prevenir.