Estudantes do Instituto Municipal Luís Viana Neto aprendem, na prática, a importância da reciclagem do lixo e da coleta seletiva

Durante o ano passado (2019), as escolas municipais do Ensino Fundamental Anos Finais elaboraram projetos de cuidado com as águas de São Francisco do Conde, estimulados pela Conferência Infantojuvenil pelo Meio Ambiente. Uma dessas propostas, oriunda do Instituto Municipal Luís Viana Neto – IMLVN propunha a coleta de resíduos no manguezal da orla. Assim, a Sala Verde da Secretaria Municipal da Educação – SEDUC, em parceria com a comunidade escolar, está efetivando a execução do projeto.

Na quinta-feira passada (08), ocorreu na região da Colônia de Pescadores (orla do município) e no bairro de São Bento (Drena), a coleta de resíduos sólidos. A atividade contou com a participação de uma representante da equipe de Educação Ambiental da Secretaria Municipal de Serviços, Conservação e Ordem Pública – SESCOP, e também membros da Associação de Catadores de São Francisco do Conde – ASCOBA”.

Nesta quinta (15), esses mesmos alunos visitaram a ASCOBA, localizada na Baixa Fria, a fim de conhecerem o processo de triagem os resíduos coletados com o qual os catadores trabalham, compreendendo a importância do processo e do desdobramento econômico na vida de cada associado. A próxima etapa será a implantação da coleta seletiva no IMLVN, cujos resíduos serão doados para a referida associação.

Um dos catadores associados é Jadson Ladislau, que tem 19 anos de idade e mora na Baixa Fria. Ele explicou um pouco de como acontece a coleta: “a gente vai correndo de rua em rua colhendo materiais que são recicláveis. Depois, separamos os materiais, como pet com pet, papelão com papelão, etc. Depois do material selecionado, ele é revendido”. Para ele, esta é uma boa ação “porque o ambiente fica mais limpo. Uma coisa que poderia ser jogada fora tem outro uso. Ajuda muito no meio ambiente!”.

Segundo Angélica Paixão, gerente de Educação Ambiental da SEDUC e coordenadora da Sala Verde, “a iniciativa chama atenção para a importância do ecossistema de manguezal do ponto de vista biológico e econômico, assim como valorização da profissão dos catadores e sobre o descarte de forma adequada dos resíduos, como oreaproveitamento desses materiais. A coleta não foi apenas para tirar o lixo do manguezal, mas principalmente para os alunos observarem a diversidade de resíduos que a população descarta e as consequências danosas para o ambiente marinho”.

Claudecy Araújo, coordenadora da ASCOBA declarou que “o trabalho da ASCOBA gera renda para os associados, também contribui para conservação dos vários ambientes. Quando coletamos, também damos orientação aos moradores sobre a forma correta do descarte dos resíduos. De acordo com informações da coordenadora pedagógica do Instituto Municipal Luís Viana Neto, Ivonete Almeida de Jesus, inicialmente o projeto fora feito com os alunos do 9º ano, que já concluíram o Ensino Fundamental e não estão mais na escola. Desse modo, ele foi adaptado para o 6º ano, que permanecerá mais três anos na unidade escolar. “Com isso, desenvolvemos a consciência dos alunos e valorizamos a profissão dos catadores. Eu, você e todo mundo é responsável!”, declarou.

Eles colocaram a mão na massa. Mostraram para onde o lixo vai. Muitos não tinham percepção de que os resíduos vão parar no mar”, disse a professora de Ciências, Maysa Vieira. Ela contou que “os moradores do Drena relataram que quando a maré enche, espalha o lixo. Além disso, o pessoal da associação mostrou para os estudantes a diferença entre lixo reciclável e não reciclável”.

Precedeu a visita dos alunos à Associação de Catadores e Catadoras de Materiais Recicláveis, uma visita na sede da SEDUC, onde os estudantes puderam apreciar, na Sala Verde, a exposição de anfíbios, lagartos, serpentes, crustáceos, moluscos e peixes encontrados no bioma da Mata Atlântica, característico de São Francisco do Conde.

Por fim, a professora Maysa informou que o tema a ser trabalhado pelas disciplinas de Ciências e Geografia na Mostra Pedagógica VoArte, que acontece nos dias 03, 04, 05 e 06 de setembro, em toda a Rede Municipal de Ensino, é Conservação do Ambiente Escolar. “Muitas vezes, os próprios alunos depredam o ambiente escolar e queremos inibir esse tipo de atitude”, sinalizou.