Mesa Redonda do ‘Caboclo Camarada Amigo Meu’ deu visibilidade as lutas dos povos indígenas

A Prefeitura de São Francisco do Conde, através da Secretaria Municipal de Direitos Humanos, Cidadania e Juventude – SDHCJ (Departamento de Promoção à Igualdade Racial), em parceria com a Associação Nacional Cultural de Preservação do Patrimônio Bantu – ACBANTU, promoveu um evento de valorização da diversidade e da cultura indígena, no dia 20 de julho, no Mercado Cultural.

O encontro “Mesa Redonda do Caboclo Camarada Amigo Meu” representou um espaço de visibilidade das lutas dos povos indígenas. A ação chegou a sua XV edição e trouxe como tema: “Sou filho do Brasil, brasileiro é o que eu sou”.

O secretário de Direitos Humanos, Cidadania e Juventude, Márcio Junqueira, deu as boas-vindas ao grupo e frisou a importância do respeito à diversidade: “pra nós da Secretaria de Direitos Humanos, Cidadania e Juventude é uma felicidade fazer parte desse trabalho. Essa roda de conversa vai falar do lugar de onde nós viemos: dos índios e dos caboclos. Que esse evento nos deixe mais fortes e traga mais conhecimento e nos torne mais generosos com as religiões”.

“Nós fomos o primeiro povo do país e que até hoje resiste. Alguém me perguntou se eu sou índia de verdade, podem pegar e sentir que eu não sou de papel. Sou uma pessoa igual a vocês, com costumes e uma cultura diferente, mas acima de tudo sou uma pessoa; om minha cultura, minha medicina, meu artesanato, minha agricultura. Estamos aqui há milhares de anos, mas em 2001, o Governo Federal passou a nos reconhecer e ainda hoje sofremos com intolerância e com as religiões que entraram no nosso território e, a partir disso, os índios passaram a ter vergonha de se pintar e de dizer que são tupinambás”, declarou a indígena Nádia Akauã, representante dos Tupinambás.

Estiveram no local os povos de terreiros, indígenas, marisqueiras, pescadores e estudantes beneficiados pelo Educa Chico. Durante o evento, entidades e lideranças que lutam pelos direitos dos povos e comunidades tradicionais receberam o reconhecimento do público, por meio da estatueta de homenagem, intitulada “Prof. Ubiratan Castro de Araújo”.

Os homenageados foram:

Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Pretos;

Mateus Aleluia;

Alaíde do Feijão;

Cacique Ranon Tupinambá: Liderança dos povos indígenas da Serra do Padeiro – Bahia;

Nengwa ia Kamukeenge – Alva Célia Medeiros;

Babalorixá José Raimundo – Pai Pote.