Encontro com Professores da Educação Especial revela cuidado da gestão com a inclusão

Na última sexta-feira (12), aconteceu o Encontro com Professores da Educação Especial, promovido pela Prefeitura de São Francisco do Conde, em uma ação do Departamento Pedagógico – DIREP, através da Gerência de Educação Especial/Inclusiva da Secretaria Municipal da Educação – SEDUC.  A atividade aconteceu na Sala de Formação da SEDUC e teve por objetivo alinhar as práticas pedagógicas desenvolvidas pelos professores durante o Atendimento Educacional Especializado – AEE.

Simoneide Reis dos Santos, vice-diretora da Creche Robertina Santos do Amor Divino, explica que, em sua unidade escolar, o AEE acontece da seguinte maneira: “fazemos a observação dos alunos com possíveis diagnósticos, elaboramos relatórios com base nas observações, em seguida encaminhamos a ficha para o PROAP. Após esse processo é que acontece o atendimento individual com as famílias, além de atividades lúdicas e de sensibilização por grupo”.

 Acompanhamos educandos com transtornos de aprendizagem (dislexia, discalculia, disgrafia e disortografia), além de TEA (Transtorno do Espectro do Autismo) e TDAH (Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade), estes últimos, associados à dificuldade de aprendizagem”, explicou Laís Oliveira, diretora do Programa de Atenção e Acompanhamento Pedagógico e Psicossocial a Alunos e Professores – PROAP. O trabalho realizado pelo PROAP se inicia com a identificação da dificuldade através da escola, em seguida, o programa realiza os procedimentos de triagem, avaliação, diagnóstico e intervenção, “além do suporte às escolas, através de orientações referentes às estratégias que o professor pode utilizar para facilitar o processo de aprendizagem”, complementou Laís.

De acordo com a gerente de Educação Especial/Inclusiva, Denize Correia, “o Encontro com Professores da Educação Especial contribuiu para o fortalecimento da inclusão educacional nas escolas da rede municipal e proporcionou momentos onde os professores puderam compartilhar ideias, trocar experiências, propor ações com vistas à melhoria na qualidade do sistema educacional inclusivo. Para os professores, a periodicidade dos encontros é de suma importância, pois fortalece o sistema educacional numa perspectiva inclusiva”.

Meu trabalho está pautado em atender aos alunos que necessitam de atenção especial através da construção de jogos com sucatas e brincadeiras lúdicas”, explicou Thaiane do Amaral Fernandes, professora de Educação Especial da Escola Quintino Nascimento. Para ela, ensinar a brincar é um trabalho gratificante, pois faço parte da construção de conhecimento, ajudando a romper barreiras. Sou grata por fazer parte da vida desses alunos, cada dia é um aprendizado. Cresci como pessoa e aprendi a enxergá-los com suas limitações e potencialidades“.