Encontro formativo do Novo Mais Educação reforça a importância do planejamento interdisciplinar para a Educação Integral

Compreender a importância do planejamento a ser desenvolvido de forma interdisciplinar e refletir sobre a Educação Integral foram alguns dos pontos abordados durante o Encontro Formativo do Novo Mais Educação. Participaram da atividade, desenvolvida na sede da Secretaria Municipal da Educação – SEDUC, os articuladores do programa, responsáveis pelo desenvolvimento das ações nas escolas contempladas da Rede Municipal de Ensino. 

O Novo Mais Educação é um projeto vinculado ao Ministério da Educação – MEC, implementado pela Prefeitura de São Francisco do Conde, através da SEDUC. Quem coordena o programa dentro das unidades escolares é o articulador. Além dele, tem-se o mediador de Português e Matemática e o facilitador que atua em atividades como capoeira, dança, teatro, música, handebol, futebol, judô e atletismo.

Antes da roda de conversa e troca de experiências, os participantes fizeram a leitura de um texto de referência para o debate nacional, onde o Currículo Interdisciplinar aparece como “um modo de viabilizar as interações e inter-relações entre as diferentes disciplinas existentes, consentindo que o aluno perceba o conhecimento coletivo e construa o seu de maneira individual”. Já a Educação Integral, um dos pilares do programa, deve garantir o pleno desenvolvimento do ser humano em todas as dimensões, a partir de um projeto coletivo. “Por isso a importância desse trabalho coletivo e interdisciplinar, que deve ser feito dentro e fora da escola, como a participação dos alunos no CINE SEDUC e em aulas de campo, ultrapassando os muros da escola”, pontuou a coordenadora do Novo Mais Educação no município, Josenice Suzart. 

Segundo ela, atualmente 11 escolas têm dado continuidade às ações do projeto, com a verba do ano anterior. Este ano, apenas a Escola Municipal Joaquim Alves Cruz Rios e o Centro Educacional Claudionor Batista – CECBA receberam recursos do Governo Federal, o que gera preocupação, uma vez que ”terminando o recurso, termina o programa”. O facilitador Lucivaldo dos Santos Barbosa declarou que ”a percussão dentro do Novo Mais Educação tem uma importância muito grande, aonde as crianças se educam, conhecem a arte, a cultura e o som, motivo pelo qual agregamos percussão ao projeto. A gente vem da caminhada de educar os meninos, trazendo um futuro positivo para as crianças e jovens, para que eles saibam a importância da cultura, da arte, o que é o tambor, de onde vem a origem da percussão que, no decorrer do tempo, teve uma grande evolução no Brasil, como no samba reggae e no maracatu. Tudo isso envolve esse conhecimento e traz mais educação e um futuro para as crianças e um incentivo aos jovens, tirando-os do mundo ruim”. Lucivaldo ainda disse que ”através da percussão, a gente educa o jovem e a criança e os incentiva a estudarem outras matérias do currículo, então eu me sinto orgulhoso de ter esse dom há mais de 25 anos, com esse trabalho percussivo dentro das escolas e na sociedade. É muito gratificante ter essa oportunidade de passar esse aprendizado que a gente aprendeu com os nossos mais velhos, com o dom de ensinar, compreender, ter a paciência de estar passando quais são os instrumentos que agregam na percussão, onde cada um tem a sua nota, um som diferente. Enquanto eu tiver vida e saúde estarei passando esses conhecimentos para as crianças e jovens de São Francisco do Conde”.

Durante a roda de conversa, os articuladores citaram alguns casos específicos, como o de um aluno, morador da Jabequara, que achava que não gostava de Matemática, mas depois de sua participação no Novo Mais Educação passou a se interessar pela disciplina. ”Ele descobriu uma nova forma de aprender Matemática, de forma mais dinâmica e lúdica, através de jogos e brincadeiras”, afirmou Josenice. Na Escola Municipal Anísio Teixeira, a articuladora do programa é a vice-diretora Vilma de Assis Simões. ”Lá na escola tem capoeira, artesanato, futebol (que os meninos amam!), além de Português e Matemática. As atividades acontecem de segunda a sexta-feira, no horário oposto, com 46 alunos do 1º ao 5º ano do Ensino Fundamental Anos Iniciais”. Ela também disse que ”a maioria dos alunos mudaram o comportamento depois que começaram a participar da ação, que muito os motiva“.