Estudantes franciscanos visitam exposição artística em galeria soteropolitana

O aprendizado através das artes tem sido uma das ferramentas que a Secretaria Municipal da Educação de São Francisco do Conde tem utilizado para aumentar o interesse dos estudantes franciscanos nos estudos. Assim, na última sexta-feira (21), a Gerência de Arte Educação da SEDUC levou um grupo de alunos das escolas Joaquim Alves Cruz Rios e Instituto Municipal Luiz Viana Neto para visitarem a “Exposição Feira, Livre”, da artista Isabela Seifarth, na Galeria de Arte do Teatro ACBEU, em Salvador.

Esta ação teve como objetivo a promoção de experiências criativas que contribuam para o desenvolvimento cultural, por meio da apreciação e produção das artes visuais em diálogo com outras manifestações histórico-culturais do Recôncavo Baiano e outras linguagens artísticas, bem como estimular o imaginário criativo e ampliar o seu repertório cultural na perspectiva do VOARTEAR II, que tem como tema ‘Teatro e Artes Visuais: Historiando saberes e Culturas de um povo’”, explicou o professor Joane Macieira, membro da Gerência de Arte Educação.

O dia foi de grande experiência, algo muito importante que eu vou acrescentar na minha vida. Foi uma forma de aprender fora da escola coisas que na sala de aula não seria possível de aprender dessa forma. Aprendi coisas que vão mudar minha vida daqui para a frente. Hoje, aqui na Galeria de Artes, eu me senti representada nos quadros, nas telas. Algo diferente do que estou acostumada a ver. Me senti representada nas pessoas, nas feiras, nas figuras. Eu pude ver o quanto eu faço parte da história”, declarou Lara Portugal, aluna da Cruz Rios.

Investigar o universo do Recôncavo Baiano a partir das feiras livres é a proposta da exposição, que traduz em imagens, histórias de feirantes e trabalhadores rurais, onde as feiras livres são evidenciadas na construção da autonomia, luta e resistência desses trabalhadores.  Conforme Joane Macieira, “as obras da ‘Feira, Livre’ são muito singulares, envolventes e expandem um olhar sensível às riquezas culturais do Recôncavo, evidenciando feirantes e populares como importantes atores na cultura e na história da Bahia e do Brasil, e os alunos se reconheceram nas obras e externaram esse pertencimento identitário”.

Encantados com o universo artístico-visual, após apreciação das pinturas, os estudantes bateram um papo com a artista Isabela Seifarth, momento em que compartilharam dúvidas, curiosidades e as impressões sobre as obras. Além disso, os jovens participaram de uma oficina de desenho a partir de suas visões sobre as obras artísticas.

Para Michele da França, do 8° ano do Instituto Municipal Luiz Viana Neto, “a visitação ao Teatro ACBEU me proporcionou experiências incríveis. As obras, tendo como inspiração o Recôncavo Baiano através das telas, pinturas e quadros, me fez voltar ao passado e aprender um pouco mais sobrea história do povo negro escravizado e também da nossa cultura de São Francisco do Conde, como o Samba-Chula, a viola e a feira livre que têm em nossa cidade. Agradeço a Secretaria da Educação que nos proporcionou essa atividade fora da escola”.