Exposição Fotográfica celebra os 50 anos do Samba Chula Filhos da Pitangueira

Para celebrar esse símbolo da cultura franciscana, a Prefeitura de São Francisco do Conde, através da Secretaria Municipal de Cultura (SECULT), realizou nesta quarta-feira (28), na sede da secretaria, a abertura da exposição fotográfica que homenageia e valoriza essa tradição através do mestre Zeca Afonso e sua história marcada por sabedoria e tradição.

As homenagens foram muitas, a começar pela apresentação do grupo de fantoches da Biblioteca Arthur de Sales, que contou de forma lúdica a história do grupo franciscano. Logo após, foi a vez do Samba Mirim Flores da Pitanga prestar homenagem a seu Zeca Afonso.

A exposição, que acontece até o dia 07 de dezembro, das 08h às 14h, reúne imagens, instrumentos e vestimentas que contam a história de resistência e reinvenção desse patrimônio imaterial da humanidade. Um verdadeiro mergulho na formação cultural de São Francisco do Conde, da Bahia e do Brasil.

Através das fotografias, é possível relembrar aspectos sociais e culturais em todos os sentidos. Trata-se de uma grande oportunidade, principalmente para as novas gerações, estudantes e crianças que querem conhecer e aprender sobre a sua própria história.

Um dos momentos mais esperados e emocionantes da abertura da exposição foram as homenagens ao mestre Zeca Afonso, que foi respeitosamente reverenciado pelo seu legado e pela sua representatividade para a construção da identidade cultural de São Francisco do Conde. Na ocasião, o homenageado recebeu das mãos do secretário de Cultura do município, Osman Ramos, um certificado, um quadro e um troféu em honra e gratidão por toda a sua dedicação em prol da perpetuação desse legado. “O meu sentimento é de grande alegria por poder vivenciar esse momento tão emocionante. Hoje estamos fazendo essa homenagem a seu Zeca Afonso em vida, isso é o que importa. É preciso prestar homenagens em vida para que ele veja e também sinta em seu coração essa felicidade que todos nós estamos sentindo neste momento. A festa é em homenagem ao Samba Chula Filhos da Pitangueira, mas também a todos os grupos da nossa cidade, pois muitos se inspiraram nessa história”.

Emocionado com a homenagem, Seu Zeca Afonso, em poucas palavras, emocionou a todos os presentes e recebeu muito carinho. “Eu estou muito nervoso e emocionado, mas queria agradecer e todos vocês, ao secretário de Cultura e toda sua equipe. Deixo aqui encarecidamente a todos, em espacial as crianças, que não deixem o samba morrer. Se alguém precisar aprender e saber mais sobre o samba chula eu estou à disposição, podem me procurar.  Estou muito contente com essas homenagens!”.

Ao final das celebrações, o som da Viola Machete ecoou para além das paredes do espaço onde todos cantavam os parabéns para celebrar os 50 anos do Samba Chula Filhos da Pitangueira.  Em respeito a Seu Zeca Afonso, todos os componente do grupo o reverenciavam com muita gentileza e carinho.

AO MESTRE ZECA AFONSO

 E foi assim que tudo começou. No dia 22 de setembro de 1934, uma épica jornada de amor, beleza e dedicação à cultura se inicia para nos agraciar com sua oralidade na transferência do saber e da perpetuação de todo um legado que nos foi deixado por Reis e Rainhas, Príncipes e Princesas, que em solos brasileiros, mais precisamente no Recôncavo Baiano, foram escravizados. Sim estamos tratando aqui de uma realeza.

Esse legado que hoje é mantido com muita determinação e persistência por poucos, tem nele um Grande Baluarte, a Enciclopédia Viva do Samba, o Ícone do Samba Chula Filhos da Pitangueira. Ele que veio ao mundo para brilhar, nasceu no dia 22 de setembro de 1934 e hoje, é carinhosa e merecidamente conhecido como MESTRE ZECA AFONSO.

O Mestre Zeca Afonso, a Enciclopédia Viva do Samba e fundador do Samba Chula Filhos da Pitangueira, é respeitadíssimo entre os mestres de samba do Recôncavo, de todo o Estado da Bahia e do Brasil. E o reconhecimento e respeito desse imensurável valor, precisa e deve ser cada vez mais difundido principalmente em sua cidade-natal, São Francisco do Conde.

Hoje, essa exposição que celebra o jubileu de ouro do Samba Chula Filhos da Pitangueira, fundado a 22 de Março de 1968, tem como ápice do evento uma homenagem ao Mestre Zeca. Mestre Zeca, que do alto dos seus 84 anos é um jovem senhor, que nos contagia e emociona com sua dedicação em manter acesa e cada vez mais viva a chama desse ofício herdado de seu avô, e que com muita persistência e determinação vem mantendo e procurando transferir aos mais novos essa brilhante, bela e tradicional manifestação cultural.

O Mestre Zeca que trabalhou no cultivo da cana-de-açúcar, produto que por muito tempo impulsionou a economia da região, aposentou-se como servidor público. Ao longo de sua trajetória, inquietou-se ao ver muitos rituais religiosos, tais como as rezas aos santos, sendo extintos por conta do falecimento de pessoas que os mantinham em suas residências. E mesmo seguindo as doutrinas de uma religião pentecostal, contraria as manifestações afrodescendentes, não negou suas raízes e cumpriu um juramento feito ao seu avô, de não deixar a tradição morrer, e partiu em busca de aprendizado com o objetivo de resgatar toda essa riqueza e beleza cultural e religiosa, proporcionando, assim, integração e inclusão social, entretenimento e conhecimento para as pessoas.

O Mestre Zeca Afonso, junto com o saudoso Mestre Zé de Lelinha, mantiveram viva a presença e os belos acordes da Viola Machete, um importante instrumento na composição instrumental do samba chula. Juntos com outros membros do grupo disseminou por esse país de proporções continentais, o Brasil, a graciosidade, irreverência e também as regras disciplinares necessárias a execução de um autêntico e original samba chula, através do Projeto Brasil Sonora, patrocinado pelo SESC. A importância do samba chula rendeu também a imortalização da obra através de registro feito pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – IPHAN. A cerimônia aconteceu em Brasília, onde o Samba Chula Filhos da Pitangueira foi recepcionado por membros do IPHAN, pelo então Ministro da Cultura, o Doutor Gilberto Gil e do Excelentíssimo Senhor Presidente da República Federativa do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva.

Querido, estimado e admirável Mestre Zeca Afonso. É com muito orgulho e muita honra que a Secretaria Municipal de Cultura da cidade de São Francisco do Conde, através do Departamento de Preservação do Patrimônio Histórico e Artístico Cultural, junto com todos os demais departamentos e setores que compõem a estrutura da SECULT, abre a Exposição 50 Anos do Samba Chula Filhos da Pitangueira, e faz essa singela e importante homenagem ao senhor, em reconhecimento ao seu legado, importância e contribuição marcantes para o engrandecimento de toda essa riqueza cultural que é São Francisco do Conde.

Texto em homenagem ao Mestre Zeca Afonso escrito pelo franciscano Carlos Rosário.