Lançamento do Portal Sagrado apresentou plataforma online que reunirá o Mapeamento dos Terreiros de Matriz Africana

O Governo do Estado da Bahia, em parceria com as prefeituras de São Francisco do Conde e Candeias, por meio de suas secretarias, promoveu o Mapeamento dos Terreiros de matriz Africana. O resultado deste trabalho passou a ser publicizado com o lançamento do Portal Sagrado, plataforma online que reunirá o mapeamento. A cerimônia, em São Francisco do Conde, aconteceu no dia 29, às 09h, no Mercado Cultural José Aderaldo dos Santos, na orla marítima, e reuniu lideranças religiosas e representantes governamentais.

O projeto iniciado em março deste ano é uma iniciativa da Associação dos Amigos do Ilê Asè Oyà Tolà, em parceria com a Secretaria de Cultura do Governo do Estado, através do edital Setorial de Culturas Identitárias – 11/2016, e com a Secretaria de Direitos Humanos, Cidadania e Juventude, Secretaria de Turismo e Secretaria de Cultura de São Francisco do Conde.

Fizeram parte da composição da mesa: Márcio Junqueira, secretário de Direitos Humanos, Cidadania e Juventude; Ússula Flávia, secretária de Turismo; Arany Santana, secretária de Cultura do Governo do Estado; Joelza Menezes, representante da Secretaria Municipal de Cultura; Luiz Bastos, representante da Secretaria de Promoção da Igualdade Racial (SEPROMI); Raidalva dos Santos, da Associação Ilê Asè Oyà Tolà; Maurício Reis, coordenador do projeto e fotografo; Edcarlos Vasconcelos, vereador; e contou ainda com a participação especial do vice-prefeito do município, Carlos Alberto Bispo Cruz, Nem do Caípe.

Ao todo foram 69 terreiros mapeados em Candeias e São Francisco do Conde. Esse mapeamento vai respaldar as leis municipais em defesa dos direitos dos povos de matriz africana. É hora de sair de trás das cortinas. Esse portal é uma vitrine que leva o trabalho nos terreiros para o Brasil e para o mundo”, esclareceu Ússula Flávia, secretária de Turismo.

A secretária de Cultura do Governo do Estado, Arany Santana, saiu em defesa da livre manifestação da fé: “as religiões de matriz africana sempre viveram na invisibilidade, resistindo ao ataque dos intolerantes. O povo de terreiro não tem registro escrito de sua cultura, mas a fé está expressa nos cânticos, nas histórias contadas, no coração e na memória. Fizeram tudo para apagar nossa história, mas quando estamos juntos somos mais fortes”.

A representante da Secretaria Municipal de Cultura, Joelza Menezes, frisou a importância em apoiar os trabalhos desenvolvidos no terreiro e que o município tem feito isso, através de editais de cultura. Já o secretário de Direitos Humanos, Cidadania e Juventude, Márcio Junqueira, ressaltou que em tempos de retrocesso é preciso se manter resistente: “nós precisamos garantir direitos ao cidadão, esse é um desejo da gestão. Em São Francisco do Conde existem pessoas de santo que precisam ser respeitadas, não apenas toleradas”.

De acordo com o coordenador e fotógrafo do projeto, Maurício Reis, o principal objetivo do mapeamento é possibilitar a implementação de políticas públicas voltadas aos povos de terreiros. “Precisamos nos empoderar e conhecer nossos direitos! Criamos o portal para publicizar informações como: onde estão, quantos são e quais são as dificuldades enfrentadas nos terreiros”, completou Maurício, que também é Ogã do Ilê Asè Oyà Tolà.

Por fim, o vice-prefeito e secretário de Governo, Carlos Alberto Bispo Cruz, esclareceu que a gestão não compactua com atitudes de preconceito e garantiu que a gestão está trabalhando para garantir direitos.

O Portal Sagrado reúne informações históricas, visuais e geográficas de 69 casas de Axé da região, sendo 40 localizadas em Candeias e 29 em São Francisco do Conde. A iniciativa mobilizou a maioria dos terreiros da região para sua construção. No portal, o internauta terá acesso a fotografias, textos, mapas temáticos e memória dos terreiros, além de dados sobre legislação, links e orientações para os religiosos sobre os direitos e proteção das religiões de matriz africana frente aos processos de violência e intolerância religiosa.

29