São Francisco do Conde aponta rumo a excelência no modo de fazer gestão

Na manhã da última segunda-feira, 04 de dezembro, uma apresentação no Gabinete da Prefeitura mostrou porque São Francisco do Conde tende a alcançar níveis elevados no modo de fazer gestão.

Ao longo de exatos 4 anos, a Secretaria Municipal de Planejamento (SEPLAN) deu o pontapé inicial na construção do Chico Geo – sistema de informações geográficas do município – onde, por meio da parceria com o Departamento de Tecnologia da Informação (TI) – órgão vinculado à Secretaria Municipal de Gestão Administrativa (SEGAD) – está sendo possível montar toda a estrutura de dados georreferenciais do município.

A iniciativa, que representa, para além de uma ação inovadora, uma ferramenta norteadora para as tomadas de decisão do governo, já aponta dados reais sobre o atual número de habitantes do município – o qual já ultrapassa 65 mil moradores – áreas de construções irregulares, condições insalubres de moradia e dimensões territoriais; isso para citar alguns exemplos.

A ideia é unificar todas as informações que estão sendo coletadas em todas as secretarias municipais para se obter o cruzamento de dados e desenvolver ações mais eficazes, indo no foco de cada demanda, e obtendo resultados muito mais precisos.

O Chico Geo trabalha numa perspectiva de curto, médio e longo prazos, em que parte dos resultados passa longe do imediatismo, mas que transforma a vida das pessoas por gerações.

Diante da apresentação, membros do Executivo e do Poder Legislativo – neste último representado pelo presidente da Câmara de Vereadores, Venílson Souza Chaves (Cravinho) – bem como do IPM (Instituto de Previdência Municipal) – na pessoa de Eleanor da Cruz Sales Nogueira, presidente do órgão – ficaram entusiasmados com as perspectivas. Contudo, o prefeito Evandro Almeida parabenizou pelo feito e de posse dessas informações, cobrou mais empenho e dedicação do seu secretariado.

Saiba mais sobre o geoprocessamento

O geoprocessamento funciona como uma ferramenta para aumento da eficiência e eficácia das ações, visto que permite a tomada de decisões mais rápida, objetiva e facilita o processamento de informações. Consequentemente, obtém-se uma menor repetição de processos e procedimentos de rotina das instituições, bem como uma maior racionalização do uso de recursos financeiros e equipamentos sociais. Assim, em geral, geoprocessamento aumenta a capacidade operativa da Prefeitura, em termos de tempo de intervenção e de qualidade das decisões, oferecendo aos gestores mais conhecimento sobre o município.

Os usos do geoprocessamento na gestão pública são ilimitados, que vão desde a confecção de mapas temáticos a gerenciamento de ações governamentais. Podendo ser utilizado por todas as secretarias municipais, dentro de suas especificidades.