São Francisco do Conde rende homenagens aos atletas de karatê

Isso aqui que todos estão vendo representa a luta desses meninos guerreiros e batalhadores, que mostra que o esporte leva a um caminho de formação cidadã e que rompe barreiras. Eles saem de São Francisco do Conde pra disputar um Pan-americano na Argentina e voltam sendo vice-campeões da competição. Poucas coisas na vida proporcionam isso, o esporte e a educação podem fazer acontecer, e, embora eles tenham ganhado a prata lá, aqui dentro eles são meninos de ouro e estão dando exemplo a muita gente, exemplo de perseverança, de trabalho, respeito e disciplina”. Essas foram as palavras, proferidas pelo secretário de Desenvolvimento Social e Esportes de São Francisco do Conde, Aloisio Oliveira, durante o desfile em carro aberto com os esportistas da Seleção Brasileira, que foram recepcionados com uma carreata, percorrendo as principais ruas da cidade. Um cortejo marcado por muitos acenos, aplausos e parabéns.

Pra mim é uma satisfação muito grande fazer parte da Seleção Brasileira. É complicado entrar, porque tem muitos atletas bons, mas lutamos por isso. Além do mais, esse foi nosso primeiro campeonato pan-americano, que também é muito difícil. Foram 38 países participantes, e ter ficado em segundo lugar é muita emoção, tanto que me deixa sem palavras para descrever. É o ápice tudo isso que estou vivendo e, de agora em diante, focar no Mundial. Aproveito para agradecer a Prefeitura de São Francisco do Conde, bem como os profissionais da Secretaria de Desenvolvimento Social e Esportes. Tenham a certeza de que vamos lutar para ir além”, disse o atleta medalhista João Victor Rosa, de 19 anos.

Já o carateca Gledson Araújo, de 18 anos, e parceiro na conquista, atribuiu o resultado positivo aos treinamentos. “Nossos professores nos ajudaram muito e o reconhecimento disso está no respeito que temos a eles, pelo empenho que cada um teve conosco. Nós nos preparamos da melhor maneira possível, nos dedicamos muito e demos nosso melhor nessa competição”.

Para Moacir Santos Botelho Neto, de 18 anos, e o terceiro franciscano a fazer parte do time, creditar o reconhecimento ao trabalho dos professores é uma forma de agradecer pela conquista. “Quero agradecer a todos, a Deus em primeiro lugar, a minha família, a Prefeitura, a SEDESE, e em especial aos professores que nos ajudaram muito, até porque se não fossem eles não teríamos chegado lá. Essa experiência foi maravilhosa, tô até nervoso de falar”, brincou o jovem que já sonha com o Campeonato Mundial, que será realizado em 2018.

Orgulhoso pelo reconhecimento, o professor Elivaldo Nascimento Evangelista, falou em nome dos colegas. “Nesse momento eu gostaria, inicialmente, de, em nome dos meus colegas, agradecer a Deus e também a Secretaria de Desenvolvimento Social e Esportes que vem nos dando apoio para desenvolver esse trabalho. Os nossos atletas treinam duro. Eles sabem da dificuldade que é treinar para alcançar um alto rendimento e através desse treinamento eles têm conseguido participar dos campeonatos, como esse que tem maior peso. A tendência é deles crescerem, eles têm potencial e o treinamento é levado com seriedade. Pra gente que treina e vê o quanto cobra deles é um sentimento gratificante, porque nós sabemos o quanto submetemos eles a um treinamento duro, que fez com que eles trouxessem esse rendimento, além do esperado, para casa. Afinal de contas, são vários países e todos eles têm tradição dentro do esporte. A gente conseguir é um feito para ficar na história”.

As mães dos atletas também tiveram papel fundamental no resultado dos jovens. A exemplo de Andreia Oliveira, mãe de Moacir Botelho Neto, o despertar no esporte aconteceu quando ela incentivou o filho. “Desde os 6 anos de idade que eu levava Moacir no Baiacão e ficava com ele nos treinos, até que um dia deixei de ir, para que ele pudesse escolher seu caminho. Ele agora já tem 12 anos de karatê, está com 18 anos de idade. Ele desenvolveu o gosto pelo esporte e não parou mais, foi uma decisão dele, mas que incialmente precisei incentivar. Vendo-o agora é uma emoção enorme. Perceber todo esse desenvolvimento e o reconhecimento internacional… Só tenho a agradecer a Deus e ao apoio da Prefeitura. O caminho é esse, os jovens precisam disso. É felicidade e orgulho sempre”.

Marivalda Leite, mãe de João Victor, também esteve presente e registrou sua felicidade por seu filho e demais atletas. “É alegria e orgulho tudo misturado. Ao longo dos anos eu venho acompanhando o desenvolvimento dos meninos e quando você vê que eles estão conquistando os sonhos deles é algo inexplicável. Como mãe, e em nome das outras mães, quero agradecer pelo apoio da Prefeitura, dos professores e dizer que o caminho é esse mesmo. Hoje, o Brasil é a quarta potência do karatê no mundo e os nossos atletas fazem parte disso”, diz orgulhosa.

Nesse trabalho de equipe, em que todos os membros da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social e Esportes – SEDESE estiveram envolvidos, vale destacar as atuações dos professores Clovis Monteiro, Elivaldo Evangelista, Emily Meireles, Robson Amorim, o coordenador dos professores – Reginaldo Pereira, o superintendente de Esportes – Francisco Assis e o secretário da pasta – Aloisio Oliveira.

Ao final das homenagens, o secretário Aloisio reafirmou o compromisso da Prefeitura com o esporte local, em todas as suas modalidades. “Se trata de um espaço de oportunidade e é isso que queremos para os nossos jovens”, finalizou.