SDHCJ realiza ação em comemoração ao Dia Nacional da Visibilidade Lésbica

A Secretaria Municipal de Direitos Humanos, Cidadania e Juventude – SDHCJ, de São Francisco do Conde, através da Gerência de Promoção dos Direitos da População LGBT, realizou na última segunda-feira, 28, no auditório da UNILAB, uma ação em comemoração ao “Dia da Visibilidade Lésbica”, que é comemorado anualmente no Brasil no dia 29 de agosto. A data resulta de uma luta necessária, em razão do processo de exclusão contra a maioria das mulheres.

Nessa perspectiva, foram montadas duas mesas de discussão, sendo uma institucional formada por representantes do poder público, como o vereador e representante da Comissão de Direitos Humanos da Câmara Municipal de São Francisco do Conde, Edcarlos de Almeida Vasconcelos, o diretor de Programas e Projetos da Secretaria Municipal da Educação, Luan Santos, a diretora de Planejamento da Secretaria Municipal da Saúde – SESAU, Juliana Lima, representando a SDHCJ, Cíntia Bianca Gomes, e representando a sociedade civil esteve presente a jovem Fabiana Bernardo, que em seu pronunciamento enfatizou o trabalho que vem sendo desenvolvido pela Secretaria de Direitos Humanos, Cidadania e Juventude. “Quero, aqui, parabenizar a SDHCJ e a Prefeitura de São Francisco do Conde pela coragem em criar a Gerência de Promoção dos Direitos da População LGBT e abrir esse espaço de discussão entre a sociedade civil e o poder público para a realização de um trabalho voltado para esse segmento. Aquele que milita não milita por si, mas sim para todos os outros que não sabem ou não têm força e coragem para fazer”.

O vereador e presidente da Comissão de Direitos Humanos do Poder Legislativo, Edcarlos de Almeida Vasconcelos, conhecido popularmente como Pita de Gal, ressaltou a importância do diálogo e do respeito à diversidade. “Não podemos mudar a mentalidade das pessoas, mas sim fazer com que elas percebam uma realidade existente. Eu acho que cada um tem o direito de ser, fazer ou escolher o que quiser para a sua vida”.

Representando o secretário de Direitos Humanos, Cidadania e Juventude, Márcio Junqueira, a diretora do Departamento de Direitos Humanos e Cidadania, Cíntia Bianca Gomes, ressaltou o trabalho que a secretaria, através dos seus departamentos e gerências, vem realizando em prol da garantia dos direitos, tanto da população LGBT quanto dos idosos, dos deficientes e da juventude. “O nosso papel é garantir, promover e corrigir. É levar para os departamentos questões sociais para que as instituições reconheçam esses segmentos e, sobretudo, os seus direitos”.

Após as declarações, houve um momento de muito entusiasmo e reflexão sobre o contexto social através do desempenho do artista performático Israel Souza, que deixou todos os presentes estarrecidos com o seu talento, demonstrado através da sua performance teatral e corporal do Projeto “Boca Desnuda”.

Na oportunidade, também foi formada outra mesa de discussão sobre o tema: “Mulher, Gênero e Empoderamento”, onde representantes do Poder Judiciário e de movimentos LGBTs puderam discorrer sobre políticas públicas para as mulheres. Compôs a mesa, a promotora de justiça Dra. Lívia Maria de Santana Santa’ana Vaz, que coordena no Ministério Público o Grupo de Atuação Especial de Proteção dos Direitos Humanos e Combate à Discriminação – GEDEM. Além da promotora, também estiveram presentes, representando a Comissão da Diversidade Sexual da Ordem dos Advogados – OAB, Dr. Roberto Ney Araújo, e, Sandra Munhoz – representando o Movimento de Lésbicas e Mulheres Bissexuais.

No decorrer dos pronunciamentos foram abordadas questões da sexualidade, dos direitos não-garantidos ou garantidos por lei, mas ainda não atendidos, a luta pela discriminação, a afetividade, bem como gênero e violência.

Para mim, a invisibilidade é uma das formas mais perversas de violência porque ela é silenciosa, mas seus efeitos são devastadores. Nós estamos morrendo, estão nos matando todos os dias”, disse a promotora de Justiça Dra. Lívia Maria de Santana Santa’ana Vaz.