Secretaria de Direitos Humanos, Cidadania e Juventude (SDHCJ) realizou oficina teórica de Grafite e Cidadania

A Prefeitura de São Francisco do Conde, através da Secretaria Municipal de Direitos Humanos, Cidadania e Juventude (SDHCJ), por meio do Departamento de Atenção à Juventude – DEJUV, realizou na manhã desta quinta-feira (29), uma oficina teórica de grafite e cidadania.

A oficina é gratuita e é umas das atividades previstas no projeto “Circulô – Juventude, Arte e Cidadania” que tem como objetivo desenvolver a arte/educação para estimular o protagonismo juvenil e promoção à cidadania.

A diretora do Departamento de Atenção à Juventude – DEJUV, Jocilene Bandeira, falou sobre as oficinas que serão oferecidas através do Projeto Circulô. “A juventude precisa de uma forma específica para se expressar. Muitas vezes utilizamos a arte, a dança e a música. O grafite também vem com esse estilo jovem, fazendo parte da filosofia do hip-hop que também sempre foi muito utilizado como forma de expressão”.

A diretora também ressaltou que a realização dessas oficinas era uma das reivindicações da juventude franciscana. “Sempre percebemos que a juventude pedia novos projetos para além de uma educação que já é oferecida pelo ensino público. A juventude sempre reivindicava oficinas de grafite e skate, por isso estamos realizando esse projeto para atender justamente aos anseios da juventude de São Francisco do Conde”. 

Na oportunidade, a diretora do DEJUV também salientou que o Projeto Circulô entrará para o calendário anual da secretaria, além de ser realizado em outros bairros da cidade, como Caípe, Santo Estevão, dentre outras localidades.

Sara Ferreira, mais conhecida entre o os grafiteiros como “Chermie” ministrou uma aula teórica sobre a arte do grafite. “O Projeto Circulô trabalha tanto a arte, quanto a cultura local. A importância da oficina de grafite é para que os jovens entendam o que é arte, porque a sociedade tem uma visão muito conturbada do que é arte, mas também que o grafite tem uma visão social sobre a importância de construir um espaço de contribuição para a sociedade. O grafite é uma arte lúdica, onde podemos trabalhar tanto com os jovens, quanto com as crianças e os idosos para que possam compreender que a arte é uma ferramenta de construção para um mundo melhor”. 

Vitor Moraes, de 16 anos, morador da sede, falou sobre a oportunidade de aprender sobre a história do grafite. “Eu achei a oficina muito interessante. Estou aprendendo sobre a história dessa arte e o que é legal e ilegal. Nunca pensei em ser grafiteiro, mas agora que eu conheço sobre a história do grafite quem sabe um dia eu possa me tornar um grande grafiteiro”. 

As oficinas práticas irão acontecer neste sábado (29), às 16h, na Rua Ministro Bulcão Viana, n° 2 A, em frente ao Educa Chico.