SEDUC dá início ao Ciclo de Formação com coordenadores e professores da Educação de Jovens e Adultos – EJA  

A fim de abordar o currículo da Educação de Jovens e Adultos – EJA e a adequação metodológica referente às necessidades especiais e especificidade do protagonismo Juvenil e Educação popular, a prefeitura de São Francisco do Conde, através da Secretaria da Educação (SEDUC), deu início, no dia 25 de setembro, ao Ciclo de Formação com coordenadores e professores da Educação de Jovens e Adultos – EJA. A ação foi realizada na Sala de Formação da SEDUC pela gerência de Educação de Jovens e Adultos.

O tema do primeiro encontro foi “O ato de aprender e os saberes na Educação de Jovens, Adultos e Idosos: formas de dinamizar o processo educativo”. “Esse tema surgiu a partir da dificuldade apontada por educadores, no momento de atuar com estudantes que apresentam transtornos e déficit na aprendizagem”, explicou Jossilene, gerente da EJA. Segundo ela, “em reunião com a Gerência da Educação Especial, com a presença de Cleudia Fernandes (neuropsicóloga que dá assessoria ao PROAP) apontamos os problemas e buscamos soluções para minimizarmos as dificuldades de atuação dos professores. A partir daí, Cleudia fez alguns acompanhamentos nas escolas e solicitou apoio dos especialistas do PROAP na realização de oficinas envolvendo teoria e prática referentes ao tema”.

 De acordo com a Dra. Cleudia Fernandes, foram trazidas, durante a formação, informações sobre as funções cognitivas importantes para o aprendizado. “As funções cognitivas são: atenção, orientação, percepção, memória, linguagem, praxias, raciocínio e funções executivas. Já foi explanado no encontro passado a atenção, neste será: orientação, percepção e memória.  Posteriormente,  uma oficina onde será demonstrado a importância do  Teste ABC  e do “conofone”, como instrumentos auxiliares do processo de alfabetização. Os professores anseiam ser instrumentalizados para o desafio da sala de aula”.

 Durante o encontro, também foi informado o cronograma do projeto de formação, assim como foram planejadas as ações de orientação aos estudantes com transtornos ou dificuldade de aprendizagens. Além disso, a proposta pedagógica da EJA foi analisada, seguida da avaliação do primeiro dia do Ciclo Formativo.  “Estamos sempre buscando parcerias para oferecer uma educação de qualidade aos nossos estudantes e um trabalho como esse busca equalizar a educação como direito de todos independente da idade, condição social e/ou necessidades especiais”, reiterou Jossilene.