“Sou quem sou porque somos todos nós” foi o lema trabalhado no terceiro encontro do Programa Jovens Empreendedores Primeiros Passos

A fim de disseminar a cultura empreendedora entre crianças e adolescentes, favorecendo o público infantojuvenil a ser protagonista de sua própria vida, está sendo realizado, na Secretaria da Educação – SEDUC, o programa Jovem Empreendedores Primeiros Passos – JEPP. 

Nesta segunda-feira (19) aconteceu o terceiro encontro da ação, que é fruto da parceria entre a prefeitura de São Francisco do Conde e o SEBRAE, através do programa Cidade Empreendedora.

A primeira fase consiste na formação de professores do Instituto Municipal Luiz Viana Neto e do Centro Educacional Claudionor Batista, que atuarão como multiplicadores junto aos seus alunos, do 1º ao 9º ano (no CECBA) e da Educação de Jovens e Adultos – EJA (no Instituto). 

Queremos desenvolver nos alunos, o espírito empreendedor. A ideia é provocar neles o desejo de abrirem suas próprias empresas. Já há nos shoppings centers, lojas funcionando a partir da cooperação de jovens negros. Essa é uma forma da população negra se fortalecer”, declarou o professor e coach Anailton dos Anjos, trazendo a perspectiva do Empreendedorismo Social: “Aprender juntos a trabalharem juntos”.

Nesse sentido, foi exibido um vídeo sobre o conceito africano Ubuntu. “O principal ponto da filosofia Ubuntu é o sentimento de que somos um. Cuido de mim pensando em nós. Cuido de mim como eu cuido se você”, explicou Anailton. 

Já a Educadora Social do Educa Chico Joelma Oliveira de Jesus declarou que “ninguém é tão ninguém que não precisa de ninguém como eu preciso de vocês”. 

A metodologia da formação é totalmente adaptada para cada segmento. Por exemplo, do 1º ao 5º ano o aprendizado se fará por meio de histórias contadas de forma lúdica, que incluem personagens infantis. No Ensino Fundamental Anos Finais esses mesmos personagens retornarão mais crescidos.

O professor de Geografia do CECBA, Everton Sacramento dos Santos, disse que irá adaptar os novos conhecimentos  para a realidade de seus alunos “por conta da necessidade do jovem empreendedor valorizar sua realidade e enxergar uma possibilidade de trabalho e futuro, o que difere na cidade grande”. 

Ele também disse que as dinâmicas aprendidas são fundamentais, “pela importância do trabalho em grupo que é um elemento fundamental, sobretudo por desenvolver o respeito pelo outro, reconhecendo um pouco de você pela empatia”.  

Cada série também terá uma temática específica, como no caso do 1º ano, que tratará do mundo das ervas, onde os alunos irão criar uma lojinha de ervas aromáticas, a partir do contato com ervas disponíveis na comunidade. 

Por uma questão de saúde, Rosângela Santos, integrante da gerência da EJA, precisou mudar sua alimentação, por isso passou a pesquisar as ervas que poderia utilizar em suas refeições. 

Assim, surgiu  seu pequeno empreendimento, voltado temperos naturais. “Comecei com a pasta verde de uso geral, um composto muito saboroso e sem sal. Depois passei a fazer outros, como o de camarão e gengibre para frutos do mar. Aí, criei a pasta de alho, que é o carro chefe. Atualmente já fornecemos os produtos para alguns estabelecimentos comerciais“.

Zana, como Rosângela é conhecida, também disse que ao repassar as aprendizagens para os alunos da EJA, irá focar, sobretudo, em desenvolver o potencial dos estudantes agricultores. “É de grande valia para mim  ser multiplicadora a EJA para mostrar o quanto eles podes ser independentes e terem sua renda fixa. Confesso que fico esperando pela aula, que tem uma condução prazerosa. É um grande aprendizado saber que a gente pode trabalhar sem estar ligado à prefeitura”. Ela também contou que após o curso irá fazer um MEI e que já tem 2 pais de família e um jovem trabalhando com ela. “Acredito que vai crescer mais ainda”. Além disso, seu filho Wenderson também está fazendo o curso. Ele começou vendendo roupas em casa e agora já tem uma marca registrada, a WS modas, e possui uma loja física, onde vende também papeis de parede.  

Segundo o prof. Anailton dos Anjos “a proposta do empreendedor é sempre pensar em inovar suas perspectivas de vida quanto ao olhar que tem para as coisas”. 

No segundo encontro do curso, os participantes simularam a organização de uma micro empresa de beneficiamento de coco. “A  partir daí foram identificados o perfil e as etapas do processo”.

Neste terceiro encontro, por sua vez, eles trabalharam e exercitaram a elaboração do passo a passo do Plano de  Negócios, identificando sempre as características do perfil empreendedor.

Jonys Natan é munícipe e tem uma loja de acessórios em São Francisco do Conde. Ele também está participando da formação do JEPP. “Pra mim está sendo muito importante porque tinha várias coisas que eu tinha dúvida em termos de venda, de lidar com os clientes e funcionários e aqui estou tendo oportunidade de aprender. Aqui a maioria das pessoas são professores o que pra mim é melhor ainda”. Ele também disse que as vivências das práticas muito o ajudam. “Tenho dificuldade em aprender só com teoria, então as dinâmicas me auxiliam a aprender de maneira mais fácil”. 

Adriana Resende, professora de LIBRAS do CECBA, é entusiasta da formação. “O curso é maravilhoso! Ele te mostra outra vertente do empreendedorismo que, às vezes, vivemos sem ter essa dimensão. Nossa expectativa é que após o programa Jovem Empreendedor Primeiros Passos os empreendimentos aqui em São Francisco a gente pensa que vai ter um boom no município! Iremos estimular as crianças a terem metas, sonhos e objetivos”.