Uma aula rica e diferente: 3ª Festa Literária Internacional do Pelourinho – FLIPELÔ promoveu diversos aprendizados aos estudantes da EJA

A Flipelô, como é chamada a Festa Literária Internacional do Pelourinho, foi o programa da última sexta-feira (09), à noite, dos estudantes da Educação de Jovens e Adultos – EJA das escolas municipais Juvenal Eugênio de Queiroz, Duque de Caxias e Frei Eliseu. Através da iniciativa da Prefeitura de São Francisco do Conde, por meio da Secretaria Municipal da Educação – SEDUC, os alunos jovens, adultos e idosos puderam descortinar um universo novo de conhecimentos.

A apreciação da FLIPELÔ proporcionou aos alunos da EJA contato com escritores diversos, participação em apresentações lítero-musicais, estimulando aprendizagens diversas. “Acho importante a escola proporcionar estas atividades porque amplia a nossa formação e temos acesso a muitas informações”, declarou a aluna da Frei, D. Edna de Jesus Ferreira, que salientou ter gostado muito da conversa dos poetas, da exposição de gravuras e da diversidade cultural.

Maria de Fátima Soares Argolo, também da escola Frei Eliseu, frisou que “o passeio ao Pelourinho foi muito bom, participamos de apresentação musical, vi os turistas conversando em outras línguas… eu quero ir de novo!”.

Pelo visto, o passeio no Pelourinho foi um sucesso à parte, como também reforçou o senhor Antônio Carlos de Almeida, aluno Escola Juvenal Eugênio de Queiroz, da Baixa Fria. “Ter ido ao Pelourinho foi uma grande alegria! A gente viu os poetas recitando, falando a respeito do Brasil, das pessoas e do lugar. A gente se divertiu muito, apesar da chuva”. Ele também ressaltou a importância do serviço de transporte oferecido pela Prefeitura. “O carro levou e trouxe a gente. Para mim foi uma maravilha!”.

O senhor Edvaldo dos Prazeres, outro aluno da EJA na Juvenal, conheceu o Pelourinho durante a Flipelô. “Eu nunca tinha ido naquele bairro; foi a primeira vez! Nós vimos os turistas conversando e foi muito bom. Espero ir outra vez!”, confessou. Os sobrados e grandes solares, ali construídos no século XVII, compõem um conjunto arquitetônico colonial barroco que integra o Patrimônio Histórico da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura.

Jamili da Hora Ferreira, que integra a Gerência da EJA, saudou a iniciativa, ressaltando sua importância: “a participação dos estudantes da EJA na Flipelô foi muito gratificante, pois são atividades que proporcionam aos nossos alunos: jovens, adultos e idosos, a oportunidade de acessar e construir conhecimentos a partir de diferentes espaços culturais. Através da Gerência de Arte-Educação, agradeço a Secretaria da Educação pelo empenho, pela dedicação e sensibilidade para promover atividades desta natureza”.